Federal Reserve inflando a bolha, até quando?

A bolha americana continua a ser inflada pelo Federal Reserve, o ciclo continua na fase de expansão (boom), mas quando virá a recessão (bust).
Desde 2008 o governo central americano vem incorrendo suscetivos deficits para "estimular" a economia, mas todo mundo sabe que esse tipo de política só leva aos ciclos econômicos de boom e bust, segue um gráfico da dívida como porcentagem do PIB.

Gráfico


O Balanço do Federal Reserve que estava em queda devido a uma política do FED acabou tendo um súbito aumento devida a falta de liquidez no mercado interbancário, demonstrando sinais claros de fraqueza do setor financeiro e levando os EUA a realizarem um novo estímulo, segue o gráfico.


Gráfico

Com essa informação em mente, temos o gráfico do desemprego nos EUA. Segundo Mankiw e Rothbard a sociedade enfrenta no curto e longo prazo um tradeoff entre inflação e desemprego - basicamente quando se inflaciona a base monetária o nível de desemprego cai, e históricamente nos EUA há uma relação entre níveis baixos de desemprego e recessão, segue o gráfico.


Gráfico

E no mercado global o Japão aprovou um pacote de estímulos para tentar crescer o PIB de sua economia estagnada repleta de empresas Zumbis e juros negativos.


"O pacote de 13,2 trilhões de ienes (121,50 bilhões de dólares) deve elevar o Produto Interno Bruto do país em 1,4% até o ano fiscal de 2021 e ocorre num momento em que o Japão, como outras grandes economias, procura reviver o crescimento através dos gastos, à medida que os bancos centrais rapidamente ficam sem opções de política monetária."

Por enquanto seguimos observando enquanto bancos centrais agem como se estivessem em uma crise.

Como investir em Startups?

Segundo o Startse, "Startup é o período inicial, intenso e temporário de um novo empreendimento que - provavelmente utilizando tecnologia no produto final ou em algum processo relevante - está buscando validar um modelo de negócios inovador, repetível e escalável, sob condições de extrema incerteza."

Startse é uma empresa especializada em Startups, ela provê tecnologias e serviços para informar, educar e conectar as pessoas, para assim estarem preparadas a desenvolver e realizar negócios da Nova Economia. a Captable é a plataforma de investimentos da Startse.

O investimento em Startups é um investimento de ALTO RISCO, porém quanto maior o risco maior é o retorno. ao investir atráves da plataforma captable é emitído um título - NOTA CONVERSÍVEL EM PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA,neste sistema o investimento é como um emprestímo, e como o nome já diz, o emprestímo pode ser convertido em participação societária.

Além do alto risco associado a probabilidade de perder todo o valor investido, existe ainda a falta de liquidez, portanto, não é como ações da B3 em que você vende facilmente, trata-se de um título que terá de ser vendido a outra pessoa pelo preço que ela estiver disposta a pagar.

Porém se a empresa for adquirida por outra empresa, o ganho pode ser altissímo, ou não - esse é o risco, é um investimento que poderá trazer altos ganhos, ou a perca de todo o capital investido.

De qualquer forma, eu acho uma ótima oportunidade para diversificar uma carteira de investimentos, a CVM proibe que uma pessoa física invista mais de 10 mil reais nesse tipo de investimento a não ser que você seja um investidor qualificado (quem tem mais de R$ 1 milhão investido).

Veja os investimentos disponíveis na plataforma da Captable AQUI

O investimento mínimo é de mil reais.

A próxima inversão na curva de juros?

Estaríamos a ponto de presenciar a próxima inversão da curva de juros? para quem não sabe, inversão da curva de juros é quando os juros dos títulos do tesouro americano (ou qualquer título) de longo prazo fica com os juros mais baixos que os juros de curto prazo.

Trata-se de uma anomalia econômica, pois em circunstâncias normais a lei é: quanto maior o prazo de resgate = maior a taxa a ser paga. isso devido que a incerteza no longo prazo será bem maior, e consequentemente o risco ao qual o investidor estará exposto será maior. (isso vale para qualquer título).

Esta anomalia econômica consegue prever recessões nos Estados Unidos com bastante precisão, a inversão acontece quando os títulos de maior prazo (30 anos) ficam com taxas mais baixas que os títulos de curto prazo (3 anos), isso acontece porque os investidores preveem a recessão e passam a buscar por títulos de prazo mais longo, e pela lei da oferta e demanda, o preço (juros a ser pago) acaba por diminuir, ao mesmo tempo em que os juros de prazo menor passam a ser menos demandados e seu preço sobe, causando assim uma inversão da taxa de juros.

Um tempo atrás após ler um artigo do Instituto Mises sobre essa tal inversão da curva de juros, e como eu estava tentando aprender o básico de Python, criei um código que puxa de uma API do St. Louis FRED os dados das taxas e exibe uma mensagem de acordo com as taxas. Hoje, dia 18 de maio de 2019 este código me apresentou um alerta: "A taxa de juros de 3 meses esta maior que a taxa de 2 anos", e as taxas de juros estão em: 2,35% - 2,2% - 2,4% - 2,84% para 3 meses, 2 anos, 10 anos e 30 anos respectivamente.

Isso é um indicador de alerta, não quer dizer muita coisa, pois as taxas de 2 anos e 10 anos estão numa boa, e nosso indicador de inversão da curva de juros é entre as taxas de 3 meses e 30 anos.

Gráfico das taxas de juros mostrando uma inversão entre as taxas de 3 meses e 2 anos.

Segundo a teoria de que uma inversão nas taxas de juros dos títulos do tesouro americano de 3 meses e 30 anos causa recessão, está recessão chegaria num período de 6 meses a 1 ano.

Então é isso, fiquem de olho nos indicadores e Stay Safe

Referências Bibliográficas

https://mises.org.br/Article.aspx?id=2971
https://www.thebalance.com/inverted-yield-curve-3305856
https://www.investopedia.com/terms/i/invertedyieldcurve.asp